5/5 (1)
Inventario: Armado y Beneficios

O aluguel de imóveis por vezes é uma fonte de conflito entre o proprietário e o inquilino. Felizmente, há um procedimento que evita esses problemas: o inventário. Descubra então o que deve ter em conta para fazer a sua lista e as vantagens da mesma. Porque tanto o proprietário como o locatário têm interesse em prestar muita atenção e registar cuidadosamente todas as suas observações nesse documento.

O inventário: uma declaração feita pelos protagonistas

O inventário é um procedimento que consiste em comprovar à princípio, uma propriedade imobiliária alugada. Pode ser um escritório, uma casa, uma oficina ou um espaço comercial.

Pode-se estabelecer o inventário de forma amigável entre o proprietário (ou o seu representante) e o inquilino ou o seu advogado, se não se puder fazer de forma amigável. Deve-se fazer em duas cópias (uma para o inquilino e outra para o proprietário).

Abaixo, o texto de um documento aceito e assinado conjuntamente pelas duas entidades. Os apêndices de habitação também são afetados por esta constatação.

Ainda que não seja obrigatório, é recomendável fazer o inventário como anexo ao contrato de aluguel, ao qual é aplicável a Lei do inquilinato e deve estar assinado por ambas as partes.

Assim, estabelece-se em duas etapas:

Inventário de entrada

Deve-se fazer um inventário de entrada no dia da assinatura do contrato, durante a entrega das chaves e antes da ocupação real. Depois, deve-se anexá-lo ao contrato de aluguel. Você pode usar o modelo disponível no nosso site.

O documento deve conter pelo menos a seguinte informação:

  • O tipo de inventário: entrada ou saída;
  • A data do estabelecimento;
  • A localização do imóvel;
  • O nome e sobrenome das partes e o endereço (domicílio social) do inquilino e do proprietário;
  • Se for o caso, o nome ou denominação e o domicílio ou a sede registada das pessoas autorizadas para levar a cabo o inventário;
  • Se for o caso, registos dos contadores individuais de consumo de água ou eletricidade;
  • O detalhe e o destino das chaves ou de qualquer outro meio de acesso às instalações para uso privado ou partilhado;
  • Para cada divisão e parte do imóvel, a descrição precisa da condição dos pisos, paredes e tetos, dos equipamentos e dos elementos do imóvel. Se poderá completar com observações ou reservas e ilustrar o documento com imagens;
  • A assinatura das partes ou das pessoas autorizadas a levar a cabo o inventário;

Inventário de saída

Deve-se fazer um inventário no dia da saída do inquilino, quando este deixar a casa e devolver as chaves. Se deve estabelecer um novo documento semelhante ao primeiro.

Para o inventário de saída, também é necessário registar:

  • O endereço da nova casa ou do alojamento do inquilino;
  • A data de realização do inventário de entrada;
  • Possivelmente, a evolução do estado de cada divisão e parte do imóvel, observada depois do estabelecimento do inventário de entrada.

Assim, em caso de disputa, estes documentos permitem estabelecer as responsabilidades de cada parte.

O proprietário pode enviar o inventário ao inquilino em papel ou por correio eletrônico.

O objetivo da verificação antes da ocupação real é descrever o estado inicial do imóvel. A informação sobre a saída consiste em verificar ponto por ponto se o inquilino conservou a casa em boas condições.

Utilize o mesmo modelo de texto para poder comparar facilmente os dois inventários quando seja o momento da saída do inquilino.

Fazer um inventário com a Rentila

Também pode usar o módulo de criação de inventário na sua interface de administração, seção Inventário.

Uma descrição detalhada do imóvel

A apresentação do inventário é simples mas deve ser detalhada. Por exemplo, na parte superior da página estão os detalhes do proprietário e do inquilino: nome, endereço, data de entrada, data de saída. O corpo do documento pode conter duas colunas: uma para o inventário inicial e outra para o inventário final, de saída. Cada coluna se divide em quatro partes: novo, boas condições, razoável, mau estado. A lista de índices de contadores individuais também deve ser incluída. Durante a observação, o inquilino pode fazer os seus comentários.

Observe e anote minuciosamente os detalhes

O inventário estabelecido pelos dois atores protagonistas refere-se a cada divisão da casa. Devem observar cuidadosamente detalhes tais como pisos e tetos. Porque, com o tempo, a umidade pode danificar a superfície. Verificar também a funcionalidade das portas, janelas e instalações sanitárias. O inquilino que entra/sai deve mencionar que reconhece a informação estabelecida. No final do documento encontram-se o local e a data da declaração, as palavras “lido e aprovado” e a assinatura de ambas as partes.

Tirar fotos

Lembre-se também de tirar fotografias de pisos, paredes, tetos, portas e janelas e equipamentos… Desta forma, terá uma prova irrefutável do estado do apartamento.

Quadro de obsolescência

O inventário deve ter em conta o conceito de desgaste do imóvel, “o estado de desgaste ou deterioração resultante do tempo ou do uso normal dos materiais e equipamentos que compõem o imóvel”.

A obsolescência é o estado de desgaste ou deterioração resultante do tempo ou do uso normal dos materiais e dos elementos que fazem parte do imóvel no momento da contratação.

Muitas vezes é difícil estimar o valor do trabalho a realizar e a sua distribuição (inquilino/proprietário) depois da saída do inquilino. Mas, para limitar o risco de litígios, e com o fim de fixar o seu custo, se pode anexar um quadro de obsolescência ao inventário ao assinar o contrato de aluguel. Essa grelha define a vida teórica e os coeficientes de redução da taxa anual para os materiais e equipamentos da propriedade alugada.

As vantagens para o proprietário e para o inquilino

Estabelecer o inventário do imóvel apresenta vantagens para ambas as partes. A casa pode danificar-se devido à falta de manutenção. Para o proprietário, o documento preparado conjuntamente serve como evidência no caso de uma disputa. Permite, assim, fazer a comparação do inventário final com o inicial. Neste caso, se tiver que fazer obras, os custos ficarão a cargo do inquilino. O proprietário tem direito a descontar estes gastos no caução, sempre que o documento o demonstre.

Para o inquilino, este documento de reconhecimento protege-o de possíveis disputas. Se, originalmente, o imóvel tiver defeitos, estes devem ser identificados em detalhes no inventário. Se o inquilino manteve bem as instalações, tem o direito de recuperar o caução completo. Para além disso: a implementação deste procedimento contraditório é gratuita.

Situação atual: o que mais você precisa saber

Chamar um advogado

Em alguns casos, a constatação não se decide amigavelmente. Para isso, a presença de um advogado é essencial. Então, os custos relacionados são divididos entre o proprietário e o inquilino. Para evitar a ocultação de defeitos não tão claros, o primeiro que se deve exigir é que a verificação se realize sob boas condições de iluminação. Além disso, o caução é utilizado justamente para levar a cabo a reabilitação do imóvel no final do contrato. Não obstante, o proprietário não tem o direito de usar esse dinheiro se a origem do problema for a obsolescência da propriedade.

Em caso de disputa

Qualquer litígio e contestação que diga respeito ao inventário de entrada ou de saída pode ser apresentado pelo proprietário ou pelo inquilino por via judicial ou via arbitragem pela comissão arbitral municipal (CAM).

Como deduzir as obras no caução?

Se, durante o estabelecimento do inventário de saída, observar estragos que caiam sob a responsabilidade do inquilino, o proprietário tem direito a conservar uma parte ou a totalidade do caução. Neste caso, ele deverá apresentar uma prova do valor retido.

No entanto, é suficiente estabelecer uma estimativa por parte de um profissional relativa às reparações necessárias. No caso de disputas por parte do inquilino, a disputa pode apresentar-se por via judicial ou por via de arbitragem e assim se pode considerar se o orçamento produzido pelo proprietário é excessivo ou não.

É obrigatório por lei?

Não. Nem o Código Civil nem a Lei do Inquilinato mencionam qualquer obrigatoriedade em constituir um inventário como anexo ao contrato de aluguel.

No entanto, ao alugar uma propriedade, o inventário é um documento importante. Por isso, ambas as partes o devem estabelecer este documento cuidadosamente. Assim, servirá como uma ferramenta eficaz para proteger tanto o proprietário como o inquilino em caso disputa.

.

Os comentários estão fechados.

Descubra o nosso software de gestão de propriedades online e junte-se à nossa grande comunidade de proprietários. Uma ferramenta simples mas poderosa, usada por milhares de proprietários!

OBTENHA A SUA CONTA    GRÁTIS